Fadista, Ricardo Ribeiro

Augusto Canario, Desgarrada, Canario, desafio, improviso,
Augusto Canário, Desgarrada
2016-04-14
Banda Prata Latina, Prata Latina, Banda do Porto, Musica de baile, bandas de baile, música portuguesa, conjuntos musicais, música de baile. Grupos musicais de arraial, Grupos Musicais, Grupos de Baile, Bandas, Portugal
Banda Prata Latina – Baile
2016-04-11
Portuguese Singer, Ricardo Ribeiro, Ricardo Ribeiro ao vivo, Fadista Ricardo Ribeiro, Concertos Ricardo Ribeiro, Espetáculos Ricardo Ribeiro, Ricardo Ribeiro Fado, Fadista Ricardo Ribeiro

Ricardo Ribeiro – Historial

Ricardo Alexandre Paulo Ribeiro nasceu em Lisboa a 19 de Agosto de 1981. Frequentou aulas de guitarra clássica e formação musical – grau 3 – com os professores: José Carvalhinho, Manuel Soutulho e Lisete Teixeira.
Conviveu com o Fado desde muito novo, ouvindo grandes fadistas da época que se tornaram as suas referências: Fernando Maurício, Amália Rodrigues, Alfredo Marceneiro, Manuel Fernandes, Adelino dos Santos (Guitarra) e José Inácio (Viola), entre outros.
Participou em inúmeras sessões de fado organizadas por Coletividades de Cultura e Recreio e Casas de Fado como: “Académica da Ajuda”, “Vendedores de Jornais FC”, “Os Ferreiras”, “Nónó” e “Faia”.
A partir de 2001 recebe convites para participar em festivais nacionais e internacionais de música: “Alu – Casa da atriz Maria Casares”, “Badasom”, “Vocal Jazz Festival Crest”, “Festival de Guitarra de Córdoba”, “Festival de Guitarra de Santo Tirso”, entre outros.
Em 2004 foi editado pela CNM – Coleção Antologia o seu primeiro álbum com o nome “Ricardo Ribeiro”, que conta com a colaboração do guitarrista José Manuel Neto, Jorge Fernando e Marino de Freitas. Participou no “Tributo a Amália Rodrigues” – da editora World Conection, no mesmo ano.
Em 2005, a convite do encenador Ricardo Pais integra o espetáculo “Cabelo Branco é Saudade” com Celeste Rodrigues, Argentina Santos e Alcindo de Carvalho, apresentado no Teatro de Nacional São João, Cite de la Musique (Paris), Teatro Abadia (Madrid), Opera de Frankfurt, Teatro Mercadante (Itália), Casa da Musica no Porto, Teatro Municipal de São Luiz e editado em DVD.
Ainda em 2005 recebe o prémio revelação masculina da Fundação Amália Rodrigues.
Em 2008 é convidado pelo alaudista/compositor libanês Rabih Abou Khalil para cantar “Em Português”, um álbum com poemas de Silva Tavares, Mário Rainho, Tiago Torres da Silva, José Luís Gordo e António Rocha, editado pela Enja Records. “Em português” foi eleito Top of the World Album atribuído pela revista inglesa SongLines.
A sua interpretação recebe os maiores elogios da crítica que cita Ricardo Ribeiro como “ …THE RISING STAR OF LISBON FADO” – SongLines.
Faz parte do filme “Fados” de Carlos Saura e também do “Filme do Desassossego ” de João Botelho. Participa em “Rio Turvo” de Edgar Pêra e no documentário de Diogo Varela Silva “O Rei sem coroa”, sobre a vida e obra de Fernando Maurício.
Faz parte do elenco “Concerto de Natal 2009” e na recriação do mítico “Amália no Olimpia”, no Campo Pequeno em Lisboa com Mariza, Celeste Rodrigues, Camané, Rui Veloso e Carminho.
Ao longo destes anos tem participado nos discos de nomes grandes da Música Portuguesa como: Rui Veloso, Simone de Oliveira, Pedro Joia, Rão Kyao, João Gil e Carlos do Carmo.
Colaborou nos espetáculos de homenagem aos grandes fadistas Fernando Maurício, Fernanda Maria, Argentina Santos, Rodrigo e Anita Guerreiro.
Em 2010 produz “Porta do Coração” com Pedro Castro (Guitarra Portuguesa), Jaime Santos (Viola) e a colaboração de Prof. Joel Pina (Viola-Baixo) editado pela EMI MUSIC PORTUGAL. Apresentado no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém, “Porta do Coração” atinge o galardão de ouro por vendas superiores a 10000 exemplares, em 2012.
Em 2011 recebe o prémio de melhor intérprete masculino atribuído pela Fundação Amália Rodrigues. No Teatro Municipal de São Luiz realiza dois concertos dedicados a Lisboa e ao Fado com lotações esgotadas.
Participa no ciclo de música Luso-Chinesa e canta com a Orquestra Chinesa de Macau, no Grande Auditório do Centro Cultural de Macau sob a direção do Maestro Pang Ka Pang.
Com Rabih Abou Khalil e Luciano Biondini apresenta “Em Português” nos “Dias da Musica 2011” no Centro Cultural de Belém, transmitido em direto pela Antena2.
Participa no “Festival International de Musique Andalouse et Musique Ancienne”, integrado na Capitale Islamique de la Culture 2011 em Tlemecen-Alger.
Em 2012 colabora com a cantora Maria Jonas, a violetista Susanne Ansorg e o alaudista Fábio Accurso no concerto de música antiga “Lágrimas de Saudade” em Bielefeld – Alemanha, transmitido em direto pela WDR3. Ainda neste mesmo ano faz parte do cartaz da 2ª edição do Festival de Fado de Madrid, nos Teatros Del Canal, sala Roja, com Pedro de Castro, Jaime Santos, Prof. Joel Pina e a colaboração de Pedro Jóia.
Canta na Bienal de Veneza 2013 no jantar inaugural do pavilhão de Portugal concebido pela artista plástica Joana Vasconcelos com Pedro Joia e o Quarteto Arabesco.
Também em 2013 participa com Pedro Jóia no concerto comemorativo do Dia de Portugal e das Comunidades Portuguesas em Caracas. A acompanhar os dois intérpretes estava a “Orquestra Sinfónica da Venezuela” sob a direção do Maestro Osvaldo Ferreira, no Teatro Teresa Carreño.
Convidado pelo “FESTIM” – Festival Intermunicipal de Musicas do Mundo – apresenta ao vivo “Em Português”, com Rabih Abou Khalil e Luciano Biondini.
Grava com a “Frankfurt Radio Big Band” composições de Rabib Abou Khalil “Em Português” com arranjos e direção do conceituado Maestro Jim Macneely.
O quinto álbum “Largo da Memória” editado pela Warner em outubro de 2013 reúne os vários músicos com quem Ricardo tem trabalhado ao longo dos anos: Pedro Caldeira Cabral, Pedro Jóia, Rabih Abou-Khalil ou Ricardo Rocha, entre outros e marca um momento de afirmação da sua carreira e maturidade artística.
Em fevereiro de 2014, o fadista apresenta Largo da Memória no CCB, Grande Auditório e na Sala Suggia da Casa da Música, ambos esgotaram. Para além dos nomes referidos acima, Ricardo partilhou o palco com Pedro de Castro na guitarra portuguesa, Jaime Santos na viola de fado, Francisco Gaspar na viola baixo, tendo ainda o quarteto de cordas e uma homenagem ao Prof. Joel Pina.
Paralelamente, o fadista continua o seu projeto em duo com Pedro Jóia e semanas antes, esgotaram o Elebash Center, em Nova Iorque, proeza que repetiram na Madeira, no verão. Em julho, os dois músicos fizeram a primeira parte de Mariza no EDP CoolJazzFest. No fim da atuação os três atuaram juntos.
Em abril arrancou a tournée de apresentação de Largo da Memória com o apoio do Montepio. O primeiro concerto teve lugar no Casino da Figueira da Foz e até dezembro de 2014 passou por Cartaxo, Setúbal, Ílhavo, Coimbra, Estarreja e tantas outras.
A época de festivais revelou-se cheia para Ricardo Ribeiro que figurou nos cartazes do festival Sons do Atlântico, no Algarve, Festival da Quinta das Lágrimas em Coimbra, Festival Bons Sons em Tomar, concerto escolhido pelo jornal o Público como “o” concerto da edição, Nós Em D´Bandada no Porto e Festival Caixa Alfama, em Lisboa, entre outros.

In facebook Ricardo Ribeiro

Ricardo Ribeiro

Espetáculo de momentos quentes e emocionantes com uma genuina e honrada interpretação do Fadista Ricardo Ribeio num espetáculo ao vivo deste artista que ocupa espaço de muito forte nos mais fortes nomes de Fado da actualidade.

Ricardo Ribeiro – Fama de Alfama – 5ª Grande Gala da Rádio SIM

Não tenham medo da fama
De Alfama mal afamada
A fama ás vezes difama
Gente boa, gente honrada

Fadistas venham comigo
Ouvir o fado vadio
E cantar ao desafio
Num castiço bairro antigo;
Vamos lá, como eu lhes digo
E hão-de ver de madrugada
Como foi boa a noitada
No velho bairro de Alfama
Não tenham medo da fama
De Alfama mal afamada

Eu sei que o mundo falava
Mas por certo, com maldade
Pois nem sempre era verdade
Aquilo que se contava;

Muita gente ali, levava
Vida sã e sossegada
Sob uma fama malvada
Que a salpicara de lama
A fama ás vezes difama
Gente boa, gente honrada

Ricardo Ribeiro – CCB – 50 Anos de Rodrigo – “Destino Marcado”
Ricardo Ribeiro ao vivo CCB – “Destino Marcado” – 50 Anos de Rodrigo

Live @ CCB – “Destino Marcado” – 50 years of Rodrigo

Ricardo Ribeiro e Mariza – Live @ EDP COOLJAZZ ’14 – “Quando Me Sinto Só” – “De Mim Para Ninguém”

Ricardo Ribeiro e Mariza, ao vivo no EDP CoolJazz Fest 2014.
♫♫♫
“Quando Me Sinto Só”

Ricardo Ribeiro – Não Rias – Live @ Portugal no Coração (RTP1)

Ricardo Ribeiro – Destino Marcado [OFFICIAL VIDEO]

Ricardo Ribeiro – Malhas Do Amor – Live @ Herman 2013

Mariza & Ricardo Ribeiro singing ‘Zanguei-me Com O Meu Amor’, Madrid 13/07/10

Mariza singing with her guest, the amazing and talented Ricardo Ribeiro, ‘Zanguei-me Com O Meu Amor’ in Madrid at the ‘Veranos de la Villa’ concert on 13/07/10.

Ricardo Ribeiro – “Passeio Fadista”

‎Ricardo Ribeiro Fado,Pedro de Castro , Carlos Manuel Proença , Francisco Gaspar Mesa De Frades – Travel Channel 2012
Lyrics: Alberto Rodrigues
Music: Popular Fado Pexincha

Liberdade – MOURARIAS | Ricardo Ribeiro e Pedro Jóia

Ricardo Ribeiro-Voz
Pedro Jóia-Guitarra
Yuri Daniel-Baixo
Vicky Marques-Percussão
Rui Borges Maia-Flauta

“Oh liberdade chamei-te
Tu não deste pelo nome
Uma coisa é apetite
Outra coisa é a fome.
Eu não ganhava para o bife
Foi namoro de janela
Nunca mais estive com ela
Mas vou saber onde vive

E como ter a certeza
Que pensa tal como antes
Perguntas bem digo eu
Vou reservar uma mesa
Para a ceia dos amantes
Na melhor do céu.”

Letra:Julio Pomar
Musica:Pedro Jóia

FESTIM 2013 – Rabih Abou-Khalil – Ricardo Ribeiro – Luciano Biondini

Rabih Abou-Khalil ربيع أبو خليل Group – A Casa da Mariquinhas – Ao Vivo

Ricardo Ribeiro. Festival Caixa Alfama. Na Igreja de Santo Estevão. Cantando sem microfone.

wikipedia

Biografia Ricardo Ribeiro

(em Maio 2015)

Foi criado no Bairro da Ajuda, tendo começado a cantar aos 9 anos de idade para os amigos.

Impulsionado por uma tia, a sua estreia aconteceu aos 12 anos, no Grupo Desportivo “A Académica da Ajuda”, sendo acompanhado à guitarra por Carlos Gonçalves e à viola José Inácio, que se tornaria um dos seus mestres.

Participa na Grande Noite do Fado de 1996, em Lisboa, arrecadando o 2º lugar. Vence esta iniciativa da Casa da Imprensa no ano seguinte e já em 1998 volta a vencer mas já na categoria de seniores masculinos.

Ao mesmo tempo que estuda no Colégio Diocesano Andrade Corvo, em Torres Novas, aos 15 anos Ricardo passa a integrar o elenco do Restaurante Típico “Os Ferreiras”, na freguesia da Pena, ao lado de nomes como Fernando Maurício (que considera seu mestre) e Adelino dos Santos, guitarrista de quem diz ter recebido muitos ensinamentos.

Passa mais tarde para o Bairro Alto, actuando no Restaurante Típico “Nô-Nô”, O Faia ou Café Luso. Actualmente faz parte do elenco da Casa de Fado Marquês da Sé e actua ainda, aos sábados, na Mesa de Frades, ambos em Alfama.

Em 2001 representa Portugal, a convite do Ministério da Cultura francês, num festival de culturas realizado na casa doada pela actriz Maria Casarès à localidade de Alloue, Charente, França.

Em 2004 participa em A Tribute to Amália Rodrigues, uma compilação de homenagem à fadista portuguesa, editada em 6 de Outubro pela World Connection.O tema escolhido foi “Quando se Gosta de Alguém”, com letra de Amália e música de Jorge Fernando. Neste álbum participam também nomes como Ana Moura, Argentina Santos, Cristina Branco, Joana Amendoeira, Maria da Fé ou Jorge Fernando mas também alguns artistas fora da esfera do fado como Ciganos D’Ouro, Raul Marques e os Amigos da Salsa, V Império ou Vozes da Rádio.

O álbum Ricardo Ribeiro sai ainda em 2004 pela editora Companhia Nacional de Música. Este álbum está marcado pelo fado tradicional mas com quatro excepções trazidas por Jorge Fernando, Paco González e Manuel Mendes, contando ainda com letras escritas para si por José Luís Gordo e Rui Manuel.

No ano de 2005 é agraciado com o Prémio Revelação Masculina da Fundação Amália Rodrigues. Entra também no filme “Rio Turvo” de Edgar Pêra onde interpreta um fado e uma canção de Fernando Girão.

Ainda em 2005 é convidado pelo encenador Ricardo Pais para participar na peça “Cabelo Branco É Saudade” onde entraram outros nomes como Celeste Rodrigues, Argentina Santos e Alcindo de Carvalho. O espetáculo é apresentado no Teatro Nacional de São João e em outras importantes salas de espetáculo como a Cité de la musique de Paris, o Teatro de La Abadía de Madrid, a Ópera de Frankfurt (Opern und Schauspielhaus Frankfurt), o Teatro Mercadante de Nápoles ou a Casa da Música, no Porto.

No ano seguinte, 2006, a Casa da Imprensa atribui-lhe o Prémio Revelação, e um dos temas do seu primeiro álbum, “A Lua e o Corpo” (Rui Manuel De Oliveira / Alfredo Marceneiro (Fado Pierrot)), é escolhido para integrar a compilação Álbum Vermelho do Fado, editado pela Companhia Nacional de Música. Deste duplo álbum fazem parte trabalhos de Amália Rodrigues, Ana Moura, Argentina Santos,Camané, Cristina Branco, Gonçalo Salgueiro, João Braga, Joana Amendoeira, Katia Guerreiro, Mariza, Mísia e do seu mestre Fernando Maurício.

Ainda em 2006 canta uma versão fadista do Hino Nacional de Portugal, em apoio da seleção nacional de futebol, participante no Campeonato Mundial de Futebol desse ano, realizado na Alemanha.

Em 2007 verifica-se a estreia do filme documentário musical “Fados”, do realizador espanhol Carlos Saura, onde Ricardo participa no quadro “Casa de Fados”.

“A Lua e o Corpo” volta a entrar numa compilação Fado Sempre! Ontem, Hoje e Amanhã. Faz parte da secção “Hoje” deste trabalho comemorativo dos 150 anos de fado, editado pela Difference e iPlay, que reúne 80 fados interpretados por nomes incontornáveis do panorama do fado.

Na sequência dos concertos a Julho de 2007, no Teatro de São Luiz, em Lisboa e no Porto, no Teatro Nacional São João com o libanês Rabih Abou-Khalil, Ricardo é a voz do álbum Em Português do compositor e tocador de Oud, lançado em Maio de 2008 pela editora Enja Records. A letras são assinadas por Mário Rainho, Silva Tavares, José Luís Gordo, Tiago Torres da Silva, Rui Manuel e António Rocha.

Em 2010 é editado o álbum “Porta do Coração”.[carece de fontes]

A 27 de Janeiro de 2015 foi feito Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

(wikipedia)

Allmusic

Ricardo Ribeiro Biography
Ricardo Ribeiro is a fado singer from Portugal with a traditional style whose full-length solo album releases are few and far between yet popular. Born on August 19, 1981, in Lisbon, he is primarily influenced by fado legend Fernando Maurício. Ribeiro made his commercial recording debut in 2004 with “Quando Se Gosta de Alguém,” his contribution to the compilation album A Tribute to Amália Rodrigues, followed later in the year by his full-length solo album debut, the eponymous effort Ricardo Ribeiro. The critically acclaimed album won him the prestigious Prémio Revelação Masculina da Fundação Amália Rodrigues in 2005. Though it would be a half-decade before his next full-length album effort, Ribeiro kept active. In 2006 his song “A Lua e o Corpo” was featured on the compilation album Álbum Vermelho do Fado; in 2007 his song “Casa de Fados” was featured on the soundtrack to the documentary film Fados; and in 2008 his song “Rezando Pedi por Ti” was featured on the compilation album Fado Presente: A Nova Geração do Fado. Also in 2008 he was featured on the album Em Português by Lebanese oud player and composer Rabih Abou-Khalil. Six years after making his full-length album debut, Ribeiro released his second solo album, Porta do Coração (2010), which features musical backing from Pedro de Castro (guitar), Jaime Santos (viola), and Joel Pina (viola). Porta do Coração was a Top Five hit on the Portuguese albums chart and spawned the single “Moreninha da Travessa.”
(allmusic.com)

Portal do Fado

FADO SINGERS

Ricardo Ribeiro was born in Lisbon. He began singing among his friends and made is public debut with 12 years, at Académica da Ajuda.

The Fado singer considers the fadistas Fernando Maurício, Manuel Fernandes and Alfredo Marceneiro Fernando as his main references. Ricardo Ribeiro reveals himself: “When I heard Fernando Maurício for the first time, that singing was so intense it made ​​me feel part of the history.”

With 15 years of age becomes part of the cast of the Restaurant Os Ferreiras, at Rua de S. Lázaro, along with his master Fernando Maurício and the guitar player Adelino dos Santos. Also in 1996 he wins the second place in the competition of the Grande Noite do Fado in Lisbon. In the next two years, 1997 and 1998, he was the winner of the same contest.

Later he performed at the typical restaurant NóNó, at Bairro Alto, fado house that opened the doors for him to perform in the mythical places like Faia and Luso.

By an invitation of the French Ministry of Culture, he represented Portugal in a festival of cultures in Alu, at the house of Maria Casares, in southern France, in 2001.

In 2004 he sang a theme on the album tribute to Amália Rodrigues, an edition of the World Connection label, and later that year, he launched his first album – “Ricardo Ribeiro”, an edition of CNM Anthology Collection.

In 2005, Ricardo Ribeiro received the award Revelação Masculina (Male Revelation), atributed by the Amália Rodrigues Foundation and participated with two songs on the movie “Rio Turvo”, directed by Edgar Pêra, along with Teresa Salgueiro and Nuno Melo.

That same year, by an invitation of the director Ricardo Pais, he takes part in the show “Cabelo Branco é Saudade”, along with Celeste Rodrigues, Argentina Santos and Alcindo de Carvalho. The show premiere is at the Teatro Nacional de São João and then is presented in the most important concert halls of Europe and Portugal such as Cité de la Music (Paris), Teatro de la Abadia (Madrid) Frankfurt Opera, Theatre Mercandante (Naples) and Casa da Musica (Oporto).

The Casa da Imprensa gives him the Revelation Award in 2006.

In addition to made part of the cast for the film “Fados,” directed by Carlos Saura, Ricardo Ribeiro has collaborated on projects of the biggest names in the Portuguese music: João Gil, Rão Kyao or Pedro Jóia.

The fadista came to the attention of the international critics when, in 2008, collaborated on the album “Em Português”, from the composer and lute player Rabih Abou Khalil, edited by ENJA Records. On this album all the themes are composed by Rabih Abou Khalil and the poems written by Mário Rainho, Silva Tavares, José Luis Gordo, Tiago Torres da Silva, Rui Manuel and António Rocha.

The interpretation of Ricardo Ribeiro receives the best acclaims and the album “Em Português” was voted for the 10 best albums “Top of the World” in the British magazine “Songlines”, where Ricardo Ribeiro is referred to as “the rising star of … Lisbon Fado “.

In 2010 he sings two themes in the movie “Filme do Desassosego”, directed by João Botelho.

“Porta do Coração”, his latest album, was released on April 19, 2010 and went directly to the 5th place of the national top sales. This album was produced by Ricardo Ribeiro, Pedro de Castro (Portuguese guitar) and Jaime Santos (Guitar) and has the support of Joel Pina on bass guitar. The magazine “Songlines” once again surrender to his interpretations, giving it the stamp of quality “Top of the World Album” and praising its ability to overflow emotions, and grading his work to “absolutely extraordinary and rare.”

The Amália Rodrigues Foundation distinguishes again Ricardo Ribeiro, in 2011, this time with the award Melhor Intérprete (Best Singer).

Ricardo Ribeiro is undoubtedly one of the most prominent figures of the younger generation of Portuguese fado, and is fado that he sees himself: “Fado is all that happens. When we laugh or cry when you remember or forget. When one loves or hates. It’s an artistic way of shaping the Fado to the voice. The fate of a fado singer is to be the fortune of us all.
(portaldofado.net)

Público

A voz enorme de Ricardo Ribeiro sabe brilhar no largo maior do fado

A apresentação de Largo da Memória na noite de 15 de Fevereiro num CCB superlotado mostrou o melhor da arte de Ricardo Ribeiro. 4 estrelas.

Entrou no palco sob uma prolongada salva de palmas, mas nos primeiros minutos não parecia ele: voz hesitante, pouco expressiva, baça, como se pisasse território estranho. Mas a meio do primeiro fado (Destino marcado, o Fado Menor de Fernando Farinha) Ricardo Ribeiro venceu as contrariedades (“estou cheio de nervos”, diria ele depois) e mostrou do que é capaz.

E é capaz de muito, com a voz enorme que se lhe conhece, mas sempre chamando a atenção para os méritos restantes: os dos compositores, criadores, músicos, os que o acompanham e os que fizeram dele o que hoje é. Essas referências ocupam grande parte do tempo em que ele fala, por entre fados. E muito do que ele diz interessa ouvir, pelo que explica e conta, não dispensando até a ironia – quando lhe gritam “És o maior!”, responde “Sou o maior em peso, não há nenhum mais gordo do que eu”.

Mas o que ele na verdade quer maior é o fado, o seu fado. Entre temas de Largo da Memória (cantou 13, num total de 16) e do anterior Porta do Coração (mais cinco), mostrou a grandeza e solidez do seu canto. Com Pedro de Castro (guitarra portuguesa), Jaime Santos (viola de fado), Francisco Gaspar (viola baixo), João Nuno Represas (percussão) e um quarteto de cordas (Tiago Neto, António José Nogueira, Sandra Raposo, Nuno Abreu), Ricardo teve ainda a seu lado quatro convidados notáveis:

Pedro Caldeira Cabral, que na guitarra portuguesa o acompanhou na trovadoresca Cantiga de seguir, ficando para o instrumental Quando nasceste, melodia exaltante que Ricardo Ribeiro escreveu e gravou para dedicar à filha (na sala, ouviu-se um “obrigada, pai!”);

Joel Pina, o histórico viola baixo que, a poucos dias de completar 94 anos (a 19 de Fevereiro) acedeu a subir da plateia ao palco para se integrar no grupo e acompanhar, com saber e desenvoltura, um belíssimo Fado é canto peregrino;

Pedro Jóia, cuja ágil guitarra deu alma e cor a Entrega (excelente), Gaivota perdida (criação de Celeste Rodrigues, que Ricardo Ribeiro não gravou mas cantou aqui) e Tarab, feliz composição ibero-árabe;

E, por fim, Rabih Abou-Khalil, experiente e criativo músico libanês que “casou” o seu oud (espécie de alaúde árabe) com a voz de Ricardo em dois temas: Adolescência perdida, do disco que registou a parceria de ambos, Em Português; e Grão de areia, inédito com música de Abou-Khalil e letra do fadista António Rocha que em boa hora Ricardo gravará num próximo disco. Quatro momentos inesquecíveis.

De resto, Ricardo honrou o seu reportório com interpretações à altura, com escassos momentos menos conseguidos, destacando-se já no final De loucura em loucura e Não rias, interpretações sentidas e vibrantes que lhe valeram sonoros “bravo!” da plateia.

A fechar ouviu-se Malhas do amor, o Fado Sem Pernas que foi também sem casaco, já que Ricardo o tirou para ficar em camisa, mas sem abandonar o característico lenço. O encore, numa tempestade de aplausos, trouxe ventos fadistas e árabes em conjugação perfeita: o Fado do Alentejo (com arranjo de oud e cordas de Rabih Abou-Khalil) e o Fado de Alfama, de novo com Joel Pina a subir ao palco para um final em festa.

Uma noite de grandes momentos musicais iluminados por uma voz que é um portento.
(In: Jornal Publico) em 16/2/2014 por NUNO PACHECO

Fnac

CD Ricardo Ribeiro

Atenção: Ricardo Ribeiro é um fadista jovem. Não é, ao contrário do que se possa pensar e contrariando toda a lógica, mais um jovem fadista. Desde já, há que deixar bem claro que Ricardo Ribeiro não se enquadra verdadeiramente na chamada nova geração do fado. A sua voz, a força e a personalidade da sua interpretação fazem dele um caso à parte. Não terá sido por acaso, que Fernando Maurício nutriu desde cedo por Ricardo, grande admiração. No seu álbum homónimo, composto por 11 magníficos fados, que magníficos permaneciam em qualquer outra voz, ganham nele uma dimensão enorme, mesmo subliminar. Muito para além do que é habitual mesmo na voz dos melhores fadistas. Usar o superlativo absoluto é coisa perigosa. Mas basta ouvir uma estrofe, uma palavra que seja, cantada por Ricardo Ribeiro, para percebermos que o superlativo absoluto da palavra FADO, tem um nome.

CD Largo da Memória
Em 2008 a prestigiada revista britânica Songlines descrevia-o como “The rising star of Fado”. Dois anos depois, com a edição de “Porta do Coração”, Ricardo Ribeiro é aclamado pela crítica e pelos seus pares com uma das maiores vozes do nosso tempo. 2013 traz consigo um novo disco: “Largo da Memória”. Sobre o disco a palavra a Ricardo Ribeiro:
“Viajamos ao “Largo da Memória” lembrando o nosso passado, para melhor entender o presente e poder semear o futuro.
Se o Fado é vida…também o Fado é memória.
Memorizamos fadistas e Fados que fizeram história, poetas de hoje e de sempre, e músicos que se encontram nos caminhos da incerteza.
Neste “Largo da Memória” vivem poetas como Pedro Homem de Melo, Afonso Lopes Vieira, Mascarenhas Barreto, David Mourão Ferreira, Rosa Lobato Faria, Mário Rainho, Maria do Rosário Pedreira, António Rocha, Rui Manuel, Artur Ribeiro, Fernando Farinha, Ivete Pessoa, Frederico de Brito, Hasan Ibn Al-Missîsi, “Luso-Árabe” nascido em Silves no séc. XI, que cantamos em Fados e canções.
Convidei alguns amigos, músicos que muito admiro, para comigo vaguearem neste “Largo da Memória”.
Pedro Caldeira Cabral sugeriu-me que cantasse uma “Cantiga de Seguir” um género poético-musical do período trovadoresco (séc. XII-XIV), que tem uma estrutura harmónico-rítmica sobre a qual é inventada a melodia, a Guitarra Portuguesa segue a voz e a voz segue a Guitarra.
Por ele incentivado, atrevi-me a gravar um instrumental de minha autoria, tocando viola no tema “Quando Nasceste”, dedicado à minha filha Carolina.
O Ricardo Rocha na Guitarra Portuguesa, além de me acompanhar em três fados tradicionais, sabendo do meu gosto pela música do período Barroco, “vestiu” a melodia “Romance” de Carlos Gonçalves com um arranjo setecentista.
Pedro Jóia interpreta comigo a “Entrega” e “Tarab”, música de sua autoria, com quarteto de cordas (Violinos, viola de arco e violoncelo)
Rabih Abou Khalil, concebeu o arranjo para quarteto de cordas e alaúde árabe no “Fado do Alentejo”.
Pedro de Castro, Jaime Santos e Francisco Gaspar, são os companheiros do Fado e “emprestam” a este “Largo da Memória” o seu talento fadista.
Presto Homenagem ao Prof. Joel Pina nos temas “Fado é Canto Peregrino” e “De Mim Para Ninguém”.
Ricardo Ribeiro
in FNAC

Telefone
+351 214 068 960

website: Ricardo Ribeiro
twitter: Ricardo Ribeiro
youtube: Ricardo Ribeiro
google+: Ricardo Ribeiro

Premiado em:

2011 – Melhor Intérprete Masculino – Fundação Amália Rodrigues
2005 – Prémio Revelação Masculina – Fundação Amália Rodrigues
2005 – Prémio Revelação Masculina – Casa da Imprensa
1998 – Primeiro Lugar – Grande Noite do Fado de Lisboa
1997 – Primeiro Lugar – Grande Noite do Fado de Lisboa

Entrevista

Ricardo Ribeiro – Inesquecível RTP Memória (1ª Parte)

Ricardo Ribeiro – Inesquecível RTP Memória (2ª Parte)